terça-feira, setembro 27

NOTAS BIOGRÁFICAS DE HERMAN DOOYEWEERD


Neste post, quero apresentar algumas notas biográficas do filósofo calvinista Herman Dooyeweerd. Este texto é fruto do estudo de meu orientando Marcelo Henrique que, desde o início do ano, está se debruçando sobre este pensador, haja vista sua pouca participação no território acadêmico. Quero parabenizar ao Marcelo por este esforço e pela sua gentileza em disponibilizar o seu texto para o Olhar do QG...

VIDA E OBRA

Herman Dooyeweerd (1894-1977) nasceu no dia 7 de outubro de 1894, filho de Hermen Dooijeweerd e de Maria C. Spaling, que foram influenciados pelo movimento Doleantie[1] e pelas idéias de Abraham Kuyper (1801-1876). Com cinco irmãs, Dooyeweerd foi o único filho homem, crescendo em meio a um lar cristão e, desde cedo, adquiriu uma fé pessoal. Em 1912, aos 18 anos, o jovem Dooyeweerd matriculou-se na Universidade Livre de Amsterdã, fundada por Kuyper em 1880 (CARVALHO, 2010, p. 7-8), e cinco anos mais tarde doutorou-se em Direito com a tese intitulada; O Conselho de Ministros na Lei Constitucional Holandesa. (KALSBEEK, 2015, p. 7)
Nos anos 1918 a 1921 atuou no Departamento Nacional do Trabalho em Haia. No fim de 1921, tornou-se diretor assistente da Fundação Dr. Abraham Kuyper, no qual era responsável por publicações sobre questões políticas que estavam relacionadas com o partido Anti-Revolucionário, mas também em elaborar teorias legais e sociais a partir da cosmovisão calvinista. Após assumir sua nova posição, começou a abordar histórica e, sistematicamente, os problemas centrais da política. Os resultados desses estudos foram publicados em uma série de artigos acadêmicos, em 1924 e 1928, constituindo a primeira grande publicação de Dooyeweerd. (KALSBEEK, 2015, p. 18-19)
Desde então, Dooyeweerd começou a se destacar na Holanda:
Foi através do exame das bases teóricas do direito e da arte de governar, com a finalidade de dar um caráter sistemático à biocosmovisão neocalvinista na esfera da jurisprudência e da política, que Dooyeweerd se destacou como filósofo (Oliveira, 2006, p. 79).
Deve-se destacar também que a formação de Dooyeweerd não é em filosofia, pois, como afirma L. Kalsbeek (2015, p. 17), não havia um departamento de filosofia na Universidade Livre durante os anos que ele estudara ali. A filosofia em si, era estudada geralmente de forma indireta nas respectivas matérias do direito. O próprio Dooyeweerd reconheceu que durante o período de sua formação sofrera forte influencia, primeiro da filosofia neokantiana e depois da fenomenologia de Husserl. (KALSBEEK, 2015, p. 17)
Dooyeweerd se tornou professor de filosofia legal, história legal e enciclopédia legal da Universidade Livre em 1926, onde permaneceu até a sua aposentadoria em 1965. Foi nesse momento que suas pesquisas e publicações se ampliaram e intensificaram ganhando assim notoriedade. (OLIVEIRA, 2006, p. 79)
Kuyper foi uma figura paradigmática para o pensamento de Dooyeweerd, ele foi o principal responsável pelo movimento denominado neocalvinismo[2], que tinha como foco principal a reinterpretação do papel dos cristãos (reformados) diante da vida e da esfera da cultura. Porém, Kuyper não conseguiu desenvolver um sistema que possibilitasse o dialogo com as ciências e sua contribuição se restringiu apenas a área da teologia. Herman Bavinck (1854-1921), seu sucessor na cadeira de dogmática da Universidade Livre, também sentia a necessidade de uma filosofia que fosse fundamentada e orientada pela fé cristã, chegando até a escrever um ensaio chamado Filosofia da Revelação. Somente com o trabalho pioneiro de Dooyeweerd e Dirk Hendrik Theodoor Vollenhoven (1892-1978), que os neocalvinistas contribuíram com sua própria filosofia. (KALSBEEK, 2015, p. 17)
Ambos contribuíram no ano de 1930 com a fundação da associação intitulada Verniging Voor Calvinistische Wijsbegeerte[3] (Associação para a Filosofia Calvinista). Vollenhoven foi o presidente da associação até a sua aposentadoria em 1963, enquanto Dooyeweerd editava o periódico acadêmico chamado Philosophia Reformata, que produziu publicações por mais de 40 anos (1936-1976). Foi esse movimento que deu origem ao edifício teórico-sistemático intitulado Filosofia da Idéia Cosmonômica.[4]
O primeiro trabalho de Dooyeweerd nessa época recebeu o nome de De Crisis der Humanistische Staatsleer in het Licht Eener Calvinistische Kosmologie en Kennistheorie (A Crise da Teoria Política Humanista à Luz da Cosmologia e Epistemologia Calvinista, 1931). Logo em seguida, em 1936, ele publicou sua obra mais importante com o titulo de De Wijsbegeerte der Wetsidee (Filosofia da idéia de lei), que quando foi publicada para o inglês (entre os anos de 1953 e 1958), já revisada e ampliada pelo próprio Dooyeweerd, recebeu o nome de A New Critique of Theoretical Thought (Uma nova Critica do Pensamento Teórico). Sua filosofia foi exposta de forma detalhada nessa obra que dialoga com toda a tradição filosófica mostrando varias formulações por toda a obra, de ontologia a epistemologia. Seu objetivo principal é mostrar que todo sistema teórico parte de convicções religiosas já prontas e que o mito da razão autônoma deve ser abandonado na filosofia.
Se comparado com seus artigos anteriores, essa obra representa simplesmente o pensamento maduro de Herman Dooyeweerd, porém ele aperfeiçoou sua compreensão da antropologia e das suas criticas em artigos e publicações posteriores, como por exemplo, nos três volumes da obra Reformatie en Scholastiek in de Wijsbegeerte (Reforma e Escolasticismo na Filosofia) que tem o propósito de sujeitar a teologia clássica escolástica á uma critica, na qual desenvolveria sua antropologia filosófica, porém permaneceu incompleta. Sistematizou em seus dois volumes da Encyclopaedie der Rechtswetenschap (Enciclopédia da Ciência Legal), muitos dos seus principais conceitos sobre teoria política e leis, e também da sua teoria social em artigos de 1940 e 1950. Em uma serie de dez palestras com o nome Vernieuwing em Bezinning om het Reformartorisch Grondmotief (Renovação e Reflexão concernente ao Motivo Básico Reformacional), Dooyeweerd apresenta princípios para uma teoria sociológica. Em suma, Dooyeweerd publicou mais de duzentos artigos e livros sobre teoria legal, política, ontologia, epistemologia, filosofia da história, filosofia da ciência, sociologia antropologia, filosofia da religião e teologia. (CARVALHO, 2010, p. 10-11)
Em seus últimos anos de vida preencheu o seu tempo com trabalhos editoriais, correspondências e ocasionalmente com a produção de artigos científicos. Faleceu em 1977 na casa habitada pela sua família desde os anos de 1930, a menos de dois quilômetros do local onde nasceu, desfrutando do contato de seus nove filhos e inúmeros netos, além das memórias de uma vida compartilhada com sua esposa Jatiena Fernhout Dooyeweerd, que faleceu em 1963. (OLIVEIRA, 2006, p. 82)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA
CARVALHO, G. V. R.  Introdução Editorial: Herman Dooyeweerd, Reformador da Razão. In: DOYEWEERD, H. No Crepúsculo do pensamento Ocidental. Trad. Guilherme Vilela Ribeiro de Carvalho, Rodolfo Amorim Carlos Sousa. São Paulo: Hagnos, 2010.
KALSBEEK, L. Contornos da filosofia cristã. Trad. Rodolfo Amorim Carlos. São Paulo: Cultura Cristã, 2015.
KOYZIS, D. T. Visões e ilusões políticas. Trad. Lucas G. Freire. São Paulo: Vida Nova, 2014.
OLIVEIRA, F. A.  Philosophando Coram Deo. Fides Reformata. 2006. Artigo publicado pela Universidade Mackenzie acessado em 27/08/2016 http://www.mackenzie.com.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/revista/VOLUME_XI__2006__2/Fabiano.pdf





[1] Termo holandês que vem do verbo dolerende, e tem significado de “queixar-se”, “lamentar”, “reclamar”. Esse movimento foi liderado por Kuyper, e representa o segundo grande protesto dentro da Igreja Reformada Holandesa, que culminou em varias cisões. Cf. KOYZIS, Visões e ilusões políticas, 2014, p. 283.
[2] O neocalvinismo foi um movimento que se diferenciava em alguns aspectos do calvinismo clássico, principalmente por sua forte ênfase sobre o papel dos cristãos diante da esfera cultural, e sobre o conceito de “graça comum”. Cf. CARVALHO, G. V. R.. Introdução Editorial: Herman Dooyeweerd, Reformador da Razão. No Crepúsculo do Pensamento Ocidental, p. 8-9
[3]Que foi chamada tempos depois de Associação para a Filosofia Cristã. O nome mudou recentemente para Vereniging voor Reformatorische Wijsbegeerte – VRW (Associação para a Filosofia Reformacional). Cf. CARVALHO, G. V. R.. Introdução Editorial: Herman Dooyeweerd, Reformador da Razão. No Crepúsculo do Pensamento Ocidental, p. 11
[4] Tradução do termo holandês Wetsidee feita por Dooyeweerd para o inglês, que busca enfatizar não uma lei jurídica, mas a lei criacional de Deus no horizonte temporal. Sua filosofia é conhecida na Holanda como Wijsbegeerte der Wetsidee (“filosofia da idéia de lei”). Cf. Glossário: No Crepúsculo do Pensamento Ocidental, p. 298

Um comentário:

  1. Professor, aqui é o Luiz do Direito Noturno, acho que peguei seu número errado, me chama ai 67 99999-8905

    ResponderExcluir